Minha lista de blogs

domingo, 4 de julho de 2010

BEM-ESTAR E ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL PARA GATOS DOMÉSTICOS.

1. INTRODUÇÃO
Existem muitos mitos, anedotas e opiniões sobre gatos domésticos e sobre a melhor forma
de abrigá- los. Contudo, os estudos a respeito do comportamento e do bem-estar de gatos em
diferentes ambientes surgiram apenas nas últimas décadas, juntamente com a crescente
popularidade do gato doméstico como animal de estimação (Rochlitz, 1999; Overall e
Dyer, 2005; Rochlitz, 2005). Além disso, de certa forma, o crescente interesse com relação
ao comportamento felino se deve ao fato de que os problemas comportamentais constituem
a razão primária de abandono e eutanásia de gatos nos Estados Unidos (Overall e Dyer,
2005).
Existe um ditado que diz “use-o ou perca-o”. Sabe-se que um corpo e uma mente saudáveis
requerem exercícios físicos e metais. Muitos estudos sugerem que exercitar o sistema
nervoso de animais através de um ambiente enriquecido de forma sensorial e motora, além
de melhorar o bem-estar animal, tem efeitos benéficos em parâmetros morfológicos,
moleculares e fisiológicos do cérebro. Acredita-se que ambientes enriquecidos estimulam
demandas sensoriais, motoras e cognitivas, além de reforçar comportamentos como
aprendizado, interações sociais, atividade física e exploração (Dinse, 2004).
Neste panorama, o objetivo deste trabalho é discorrer acerca de enriquecimento ambiental
para o gato doméstico (Felis silvestris catus), especialmente quanto às particularidades
desta espécie animal.
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
2.1. Enriquecimento ambiental
O termo “enriquecimento ambiental” já foi definido de diversas formas. Em 1925, Robert
Yerkes introduziu o conceito de que “a maior possibilidade para melhorar o suprimento de
primatas em cativeiro se baseia na invenção e instalação de instrumentos, que possam ser
usados para brincar ou trabalhar” (citado por Shepherdson, 1998). O grupo de trabalhos
científicos da Associação de Zoológicos e Aquários Americanos (Enrichment Working
Group of the Behavior and Husbandry Advisory) definiu enriquecimento como “um
processo dinâmico no qual as mudanças nas estruturas e nas práticas de manejo são
realizadas com o objetivo de aumentar as escolhas comportamentais disponíveis para os
animais e prolongar comportamentos e habilidades espécie-específicos, assim melhorando
o bem-estar animal” (BHAG, 1999).
Segundo Kulpa-Eddy et al (2005), enriquecimento está relacionado à adição de ingredientes
que estão faltando em um ambiente empobrecido. Durante a década de 80, muitos
profissionais de zoológicos americanos começaram a perceber que os ambientes de
cativeiro convencionais para animais silvestres eram estéreis, entediantes e insuficientes
para a saúde psicológica dos animais. Assim, inicialmente, o enriquecimento significava
simplesmente a colocação de objetos para brincar e abrigar em recintos pequenos e pobres,
nos quais o volume de confinamento era fixo. Durante os anos 90, o termo gerou seu
próprio campo de questionamento científico e passou a ser referido como qualquer aspecto
físico, social, de projeto ou de manejo que pudesse melhorar o comportamento no micro
habitat de animais em cativeiro, em qualquer lugar ou condição, incluindo pesquisas
científicas (Shepherdson, 1998; Young, 2003). Atualmente, as técnicas de enriquecimento
ambiental são tidas como essenciais para o manejo de animais de zoológico e de laboratório
e, de forma mais discreta, em animais de fazenda e de companhia. Diversas abordagens são
descritas para enriquecimento de primatas não-humanos (Bayne, 2003; Honess e Marin,
2006; Vitale e Manciocco, 2004) e podem ser adaptadas ao enriquecimento de animais de
companhia.
Entretanto, para discorrer acerca de enriquecimento ambiental para gatos domésticos, é
necessário determinarmos as condições mínimas de bem-estar para a espécie. Em 1965, o
Comitê Brambell discutiu sobre o bem-estar de animais de produção em sistemas
intensivos e propôs que todos os animais de produção deveriam se beneficiar das cinco
liberdades: ser livres de fome e sede; ser livres de desconforto; ser livres de dor e doenças;
ter liberdade para expressar seus comportamentos natur ais; e ser livres de medo e estresse
(Ramos, 2006). Desde então, estas liberdades têm sido empregadas para avaliação do bemestar
de animais de produção, bem como dos de laboratório e zoológico. Contudo, as
dificuldades aparecem quando tentamos determinar o comportamento normal dos animais
de companhia e quão prejudicial é a impossibilidade de expressá-lo. Neste sentido, Rochlitz
(2005) propõe uma adaptação das cinco liberdades para gatos domésticos:
1. Fornecimento de alimento e água: uma dieta balanceada de acordo com a
necessidade nutricional de cada fase da vida do animal e água fresca;
2. Fornecimento de ambiente apropriado: espaço adequado e abrigo, sem extremos de
temperatura, luz adequada, baixos níveis de ruídos, limpeza, em ambiente
exclusivamente interno ou com acesso externo;
3. Fornecimento de cuidados de saúde: vacinação, castração, controle parasitário
interno e externo, identificação individual (microchip ou colar), pronto acesso a
cuidados veterinários
4. Oportunidades de expressar a maioria dos comportamentos normais, incluindo
comportamentos com relação a animais da mesma espécie ou a humanos
5. Proteção a condições que possam levar a medo e estresse
Assim, o enriquecimento ambiental irá privilegiar especialmente a quarta e a quinta
liberdades e poderá ser fornecido através de mudanças no ambiente físico, social, sensorial,
ocupacional e nutricional. Estas mudanças levarão a melhora da saúde física e mental,
resultando em restabelecimento do bem-estar animal (Rochlitz, 2005).
2.2. O gato doméstico
Gatos nunca foram verdadeiramente domesticados da mesma maneira que animais de
produção ou cães. A história dos gatos na sociedade está relacionada ao controle de
doenças, uma vez que os roedores sempre se sentiram atraídos pelas sociedades humanas e,
em contrapartid a, significavam uma dieta apropriada para o pequeno felídeo. Desta forma,
os humanos permitiram que os gatos acompanhassem seus grupos, mas não houve seleção
para melhorar características comportamentais específicas, como ocorreu com os cães
(Overall e Dyer, 2005).
O gato doméstico evoluiu do gato selvagem africano (Felis silvestris libyra), um carnívoro
que vivia em ambientes arenosos e gramíneos, onde se esconder era uma prática normal na
caça por alimento e na sobrevivência. Desta forma, é comum que gatos de companhia ou de
laboratório expressem esses mesmos comportamentos adaptativos. Adicionalmente, gatos
vivem em grupos matriarcais nos quais as fêmeas compartilham os cuidados dos filhotes e
os machos ajudam nestes cuidados até a maturidade sexual (seis a nove meses) ou social
(dois a quatro anos). Neste sentido, a ausência ou desequilíbrio da estrutura social desses
animais confinados em casas ou em laboratórios pode provocar desordens de ansiedade e,
conseqüentemente, alterações comportamentais (Overall e Dyer, 2005).
Problemas específicos associados ao confinamento incluem tédio, agressividade com
pessoas e outros gatos, medo, redução da capacidade reprodutiva, anorexia, afastamento de
grupos sociais, perseguição à própria cauda, estereotipias, ingestão de tecidos e
automutilação (Overall e Dyer, 2005).
2.3 Enriquecendo o ambiente de gatos domésticos
No Reino Unido, a maioria dos gatos tem acesso ao ambiente externo e, alguns autores
consideram que este seja o modo mais natural de vida destes animais. Contudo, gatos de
vida livre têm chances maiores de serem expostos a doenças infecciosas, de se envolverem
em brigas com outros gatos ou com animais de outras espécies, de sofrerem acidentes ou
morrerem por atropelamento, ou se perderem (Rochlitz, 1999; Rochlitz, 2005). Por outro
lado, o espaço disponível para o gato confinado em casa ou apartamento é inevitavelmente
menor quando comparado com o de gatos que têm acesso ao ambiente externo, tornando os
primeiros mais propensos a desenvolver problemas comportamentais (Rochlitz, 1999).
Acima de um mínimo necessário, o aumento da qualidade de espaço para gatos pode ser
melhor do que em quantidade, uma vez que o aumento apenas de espaço pode não alterar
os níveis de atividade. Ainda assim, a qualidade do espaço pode ser melhorada através do
enriquecimento ambiental, que se caracteriza por mudanças em diversas formas do manejo
convencional (McCune, 1995):

2.3.1 Busca por alimento
O fornecimento de alimento duas vezes ao dia, ou mesmo ad libitum, não representa
qualquer tipo de desafio para o gato. Na natureza, gatos passariam até seis horas por dia
atrás de suas presas, com uma taxa de sucesso de uma para cada três tentativas. Assim, fazse
necessário tornar interessante e estimulante para o gato o ato de se alimentar. O uso de
alimento úmido dificulta em muito qualquer tentativa nesse sentido, porém, a ração seca
presta-se bem a esse papel. Gatos devem obter alimento em pequenas quantidades, mas
constantemente, assim, pode-se espalhar ração em pequenas quantidades por todo o
ambiente, em locais baixos e altos costumeiramente freqüentados pelo animal. Talvez seja
necessário prender o gato em algum cômodo do ambiente enquanto se executa a tarefa de
fornecer o alimento, tudo com o nobre intuito de preservar a sensação de surpresa tão
benéfica ao mesmo. Com o passar do tempo, desde que o dono constantemente varie alguns
dos locais onde coloca o alimento, a atitude de confinamento temporário virá a reforçar
ainda mais o estímulo e tornará mais desafiante a “caça” por comida (McCune, 1995; Halls,
2004; Rochlitz, 2005).
2.3.2 Água
A maioria dos donos sempre fornece água no mesmo cômodo em que fornece comida. Na
natureza, gatos caçam suas presas e buscam fontes de água em momentos distintos. Assim,
a presença de água próxima à fonte de alimento pode, em muitos casos, fazer com que o
gato beba menos do que o suficiente, fato potencializado quando o mesmo está exposto a
uma dieta com alimento seco. Encontrar água em outros locais é extremamente satisfatório
para o gato. Deve-se também alternar constantemente o posicionamento das tigelas de água
pelo ambiente, a fim de se manter a sensação de imprevisibilidade que é de grande valor no
enriquecimento no meio em que o animal vive. O número ideal de tigelas de água em um
ambiente é igual ao número de gatos mais um (Rochlitz, 2005).
2.3.3 Vegetação
Uma fonte de grama pode ser disponibilizada ao gato como emético natural, importante na
eliminação de bolas de pêlo (tricobezoares). Em locais em que não há gramados naturais,
podem-se comprar versões comerciais destinadas especialmente aos gatos ou, então, plantar
grama em um pequeno vaso e deixá-lo ao alcance do animal (Rochlitz, 1999; Rochlitz,
2005).
2.3.4 Locais elevados para descanso
Gatos são escaladores naturais e é importante que o ambiente ofereça oportunidades de
descanso e observação a partir de locais elevados. Isso encorajará exercícios físicos
naturais, particularmente importantes para gatos que não têm acesso ao ambiente externo. O
local elevado de descanso e observação deve ser escolhido com cuidado, levando-se em
conta que o gato deve conseguir subir e, principalmente, descer dele; lembre-se que é
sempre mais fácil subir do que descer (McCune, 1995; Rochlitz, 1999; Rochlitz , 2002;
Rochlitz, 2005).
2.3.5 Locais privativos
Gatos, assim como humanos, precisam de momentos a sós, para reflexões e descansos
livres de quaisquer preocupações ou distrações. Podem ser escolhidos locais sob a cama,
dentro de armários, atrás de sofás etc. O importante é que nesses momentos os gatos não
sejam importunados, mesmo que para algo que possa parecer estimulante para eles, como o
fornecimento de petiscos e a apresentação de um novo brinquedo (Hall, 2004).
2.3.6 Camas
Um bom número de camas confortáveis deve ser provido em locais diferentes no mesmo
ambiente com o intuito de reduzir a probabilidade de gatos descasarem nas caixas de areia.
Em teste de preferência, Hawthorne et al (1995), citado por Rochlitz (1999) observaram
que gatos preferem se deitar em lã de poliéster a toalha de algodão, tecido rústico e papelão.
Raramente estes animais preferem as camas para gatos aos sofás, camas, cadeiras e tapetes
que já se encontram pelo ambiente e são utilizados por seu dono (Rochlitz, 2002).
2.3.7 Caixas de areia
O número ideal de caixas de areia é variável, desde uma por animal mais uma (Halls, 2004)
até uma para cada dois gatos (Rochlitz, 1999; Rochlitz, 2005). Estas caixas devem ser
dispostas em locais discretos, longe do alimento. As áreas podem ser cobertas ou ao ar
livre, mas é importante que representem um local seguro, onde não se sintam ameaçados.
Os substratos de granulação mais fina tendem a ser preferidos, mas é essencial que se tenha
um regime rigoroso de limpeza, visto que alguns indivíduos não utilizam caixas sujas
(Rochlitz, 2002; Hall, 2004; Rochlitz, 2005).
2.3.8 Postes para arranhar
Gatos precisam arranhar para manter suas unhas aparadas e também para marcar seu
território. Se atitudes para preencher esses instintos não forem tomadas, os gatos acabarão
por arranhar móveis, portas e paredes. Postes para arranhar, facilmente encontrados em
lojas de animais de estimação, são uma boa opção para que os gatos dêem vazão aos seus
instintos. É importante que o poste seja alto o suficiente para que o gato possa, nele
apoiado, se esticar completamente na vertical. Alguns gatos preferem arranhar superfícies
horizontais e para tanto existem tapetes para arranhar (Rochlitz, 1999; Hall, 2004; Rochlitz,
2005).
2.3.9 Contato social
O enriquecimento social pode melhorar a qualidade do tempo gasto em confinamento. Os
gatos variam em seu grau de sociabilidade. Em colônias, onde novos gatos são
freqüentemente introduzidos ao grupo, alguns gatos permanecem solitários enquanto outros
estabelecem laços sociais que enriquecem a vida, devido ao incremento da variabilidade e
complexidade socia is (McCune, 1995; Rochlitz, 2005). Contudo, problemas podem
aparecer quando animais atingem a maturidade social e começam a competir por recursos
dentro do mesmo ambiente. Isso ocorre com mais facilidade em ambientes pequenos, com
pouco fornecimento de alimento, água, luz, calor, vento e conforto. Não há uma regra de
quantos animais se pode ter em uma determinada área. Deve-se usar o bom senso para
perceber se o ambiente é capaz de comportar com conforto e satisfação mais de um gato
(Halls, 2004).
O contato social com humanos é importante, mas varia de acordo com a personalidade do
gato. O dono deve responder prontamente a uma aproximação ou um desejo do gato em vez
de ficar atrás do animal a fim de iniciar o contato. Normalmente, após algumas investidas
felinas bem respondidas pelo dono, a relação se torna bilateral, podendo o proprietário
tomar a iniciativa. Contudo, deve-se sempre ter em mente que quem comanda o contato é o
gato, assim, quando este se cansar e quiser se afastar, deve ser respeitado. Brincadeiras
predatórias – o dono sempre sendo a presa, carícias não prolongadas e comunicação verbal
são boas opções de contato social e são geralmente bem recebidas pelo gato. No outro
extremo das relações sociais entre homem e animal, encontram-se beijar e abraçar,
raramente estimados pelos gatos. Alguns gatos gostam da companhia de cães, o que
significa que a interação social pode acontecer de formas diferentes (Rochlitz, 1999).
2.3.10 Brincadeiras predatórias
Em estudo realizado por Hall e Bradshaw (1998), as brincadeiras do gato adulto com
objetos diversos estão diretamente relacionadas a fome, ou seja, as brincadeiras fazem parte
de um comportamento predatório natural da espécie.
Neste sentido, varas de pescar de brinquedo são ideais para simular os movimentos da
presa. Tais brinquedos presos a porções de pêlo ou penas de aves são bastante efetivos
como estimulantes para os gatos. A “presa” deve ser agitada em frente ao gato (nunca de
maneira rítmica, mas, sim, aleatória) para prender a atenção do mesmo e depois puxada a
fim de disparar o gatilho de caça. Vale lembrar que sempre que não estiver em uso, o
brinquedo deve ser guardado fora do alcance do gato para que o mesmo não perca o
estímulo com relação à brincadeira (Hall, 2004).
2.3.11 Brinquedos
Objetos que se movem, com texturas complexas e com características de presa são os mais
adequados para brincadeiras. Uma variedade de brinquedos está disponível, mas o caráter
de novidade é sempre importante (Rochlitz, 1999; Rochlitz, 2005). Brinquedos logo se
tornam previsíveis e entediantes se deixados parados ao alcance do gato. Quando não em
uso, devem ser guardados e somente trazidos ao gato de tempos em tempos. Pequenos
brinquedos (como os que imitam ratos) podem ainda ser colocados dentro das vasilhas de
comida como uma fonte adicional de estímulo (Hall, 2004).
2.3.12 Ar fresco
Desde que as janelas contenham algum tipo de proteção contra uma possível queda do gato
para o lado de fora – telas de Nylon®, por exemplo – é bastante benéfico deixá- las abertas.
Gatos apreciam lufadas de vento, que além do prazer sensorial que propiciam, trazem em si
odores novos e estimulantes do mundo exterior. Tais odores ganham ainda mais
importância quando chamam para si o foco de atenção de gatos domésticos entediados
(Rochlitz, 2005).
2.3.13 Estimulantes
Dois terços dos gatos respondem ao cheiro do catnip, que pode produzir um estado de
euforia temporária. Quando usado esporadicamente, o catnip pode ser uma distração
divertida. Brinquedos contendo a erva também podem ser utilizados durante 10 minutos em
dias alternados (Rochlitz, 2005).
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os gatos domésticos constituem uma espécie de comportamento ímpar. É importante
conhecer os comportamentos naturais para manutenção do bem-estar desses animais,
especialmente para aqueles que vivem exclusivamente em ambientes internos, pois são
mais susceptíveis ao estresse e a distúrbios de comportamento.
Diversas formas de enriquecimento ambiental podem ser empregadas para gatos
domésticos, de modo a melhorar o bem-estar destes animais, incluindo mudanças no
ambiente físico, social, sensorial, ocupacional e nutricional.

Um comentário:

  1. Pode me dizer quem escreveu o artigo e onde posso achar o original?

    ResponderExcluir